Preço

Como nosso carro chefe é o Guanandi estudamos por enquanto apenas seu preço de mercado mas sabemos que as outras espécies plantadas também atingem valores altos na hora da venda.

Isoladamente, afirmar que o metro cúbico do Guanandi pode ser vendido a US$ 1.500,00 (como vimos em certos folhetos ou na internet) não esclarece muita coisa. Quem entrega? Onde? Em que estágio de processamento? Este preço é para o produtor ou para o consumidor final? É madeira certificada?

No mercado, as cotações sofrem constantes alterações e uma tomada de preços representa uma fotografia naquele momento. Como se trata de empreendimento de longo prazo, faz-se necessário explicar as condições nas quais o preço foi obtido e as premissas adotadas para se calcular o valor da venda final.
Assim, para o preço que utilizamos atualmente (PreçoUS$ 710,00/m3), apresentamos a seguir as considerações sobre a cotação realizada:

Local:
Há variações do preço entre duas praças distintas, ainda que próximas. Para nossos estudos de viabilidade estamos considerando os preços na cidade de São Paulo e arredores.

Frete:
O frete até o pólo consumidor influencia na composição do preço. Para transporte rodoviário, nossos projetos situam-se à 260 km da cidade de São Paulo, com pista asfaltada dupla pelos primeiros 250 km, asfaltada simples pelos próximos 17 km e  de terra batida nos últimos 3 km. Até a época de corte espera-se que as condições aqui relatadas, que já são boas, melhorem. Consideraremos a madeira entregue no pólo consumidor.

Época:
A madeira sofre alterações de preço ao longo dos diversos meses do ano. Fatores climáticos e aspectos do comércio exterior causam variações na cotação.

Cotação em dólar:
Em função do longo prazo que caracteriza o empreendimento e também por ser a madeira uma das commodities amplamente cotadas internacionalmente, apresentamos nossos resultados finais nesta moeda. Observe-se que, caso a relação entre as duas moedas altere-se de forma significativa, sempre haverá a opção de escolha do melhor mercado para a venda da mercadoria.

Secagem:
Considera-se aqui a madeira seca, com a umidade próxima da de equilíbrio (UE).

Processamento:
O processamento a que a madeira for submetida agrega valor e influencia no preço sendo a madeira roliça mais barata e a beneficiada ou laminada mais cara. Consideraremos o preço da madeira cortada em pranchas. Este nível de processamento é o obtido em serrarias comuns.

Preços futuros:
Estamos plantando hoje a madeira para ser usada daqui a vários anos. Neste período o preço apresentará variação considerável. Por tudo que já foi dito e constatado, assumir alguma valorização real ao ano parece-nos conservador.

Preços de outras madeiras:
Na pesquisa realizada, provando que em madeiras existem apenas opções, não substitutos, apenas a título de comparação, obtivemos os preços de outras madeiras nas mesmas condições, a saber:

  • US$ 1.690,00/m3 para o Mogno (sem oferta devido à proibição de corte).

  • US$ 950,00/m3 para a Teca.

  • US$ 385,00/m3 para o Eucalipto.

Boletim da ESALQ: A faculdade de Piracicaba, através de seu sítio na internet, vem disponibilizando mensalmente um boletim com as cotações de diversas madeiras. O Guanandi não aparece entre elas mas podemos situá-lo por comparação. Por tratar-se de trabalho sério, com reconhecimento do setor, achamos que ao longo dos anos necessários ao crescimento das árvores, este boletim poderá servir de guia no acompanhamento da evolução dos preços.